quinta-feira, 12 de março de 2015

Campeonato Nacional Universitário de Corta-Mato Curto

"Para aprender a não me meter em situações onde não sou chamado".

Pode ser esta a frase que resume a minha participação no passado sábado no Campeonato Nacional de Corta-Mato Curto realiazado na Guarda. Mas já lá vamos.

Esta prova já estava marcada como um dos objectivos de participação para esta época pois é sempre uma hipótese de correr com malta que anda muito mais que eu e pode ser que eu apanhe boleia pelo menos no início deste tipo de provas.

Fui novamente representar a minha Universidade e tendo em conta a localização da prova aproveitar para passar "quality time" com a minha fã número 1 durante 3 dias.

No sábado lá nos dirigimos para a prova que estava marcada para começar pelas 12:40. Estava um bom dia de sol, se bem que à hora da prova o calor já era mais que muito para esta altura do ano.

Depois de ver as raparigas da minha Universidade fazer a prova delas comecei a aquecer e foi-me dito que não estavam a deixar levar relógios com GPS para a linha de partida. O motivo para isso era desconhecido. Depois de terminar o aquecimento decidi não arriscar e deixei o relógio.

Já sabia que iam ser 4 km sempre a carregar no pedal e que o início seria logo em ritmo muito forte. Além de que não ter o relógio não me permitia ver qual o ritmo a que ia e gerir o esforço em função disso. O que podia acontecer era algo como acontece nos 3000 metros de pista coberta: ir demasiado rápido e dar-me o abafo a meio da prova.

Bem dito, melhor feito. Após o início da prova foi um sprint maluco de cerca de 500 metros até ficar na zona de engarrafamento do percurso devido aos muito atletas e ao estreitar da zona por onde passávamos. Nem tenho ideia do ritmo a que andei no primeiro km mas tenho a ideia que anda abaixo do ritmo que ando a fazer para treinos de séries.


Ora isto havia de ser pago em alguma altura da prova. Após os 2 km foi vir por aí e abaixo e no último km foi quase a andar para trás.

Assim que acabei a prova foi dores e mais dores na pernas devido à acumulação de ácido lácteo. Nunca passei tão mal depois de uma prova. Acho que o facto de o piso da prova ser muito irregular e forçar a fazer muito força no chão também ajudou.

Já estava a acabar o sofrimento (Foto de Jorge Oliveira)
Acabei com o tempo de 14:40, terrível portanto.

A nossa equipa (Foto de autor desconhecido)
Mas pronto, foi mais uma boa experiência e serviu para aprender mais qualquer coisa.

Para a semana há mais!

Até lá, bons treinos e melhores corridas.

6 comentários:

  1. Pois o grandes campeões, antigamente, não tinham GPS mas sabiam perfeita o ritmo a que iam mas isso é uma "arte" e com o recurso à electrónica perde-se.
    Penso que o impedimento do uso de GPS pode ter haver com regulamentos e o GPS ser considerada uma ajuda externa! Penso mas não tenho a certeza.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O GPS tem as suas vantagens e desvantagens e nas provas é muito raro olhar para o tempo quanto mais para o ritmo, mas em situações em que estejamos a passar mal pode sempre dar um indicativo do mal estar.

      Abraço.

      Eliminar
  2. Viva João, pelo que consegui perceber a questão dos gps terá a haver com a regra n. 144 do regulamento (ver link - http://www.fpatletismo.pt/Cache/Regras_de_Competic%C2%B8a~o__em_portugue%5Es__2014_2015_v2-18571.pdf) e com uma interpretação muito discutível da mesma. Vi um proeminente juiz de Lisboa (que tb é atleta) a insurgir-se contra, alegando que os gps, podendo funcionar como marcadores de ritmo, não eram formas de comunicar com exterior e por isso deviam ter sido permitidos. Mas como disse o amigo Branco, nada como treinar sem depender tanto da tecnologia e conhecer / controlar melhor o nosso corpo / ritmo.
    Abraço,
    NS (Sebastian Rerun)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É muito discutível esse ponto acho eu.

      Tanto que comunicar com o exterior pode ser simplesmente gritar para o público ou vice-versa.

      Mas sem dúvida que bom bom é mesmo habituar o corpo sem estar tão preso ao relógio.

      Abraço.

      Eliminar
  3. Bem com certeza foi uma prova de aprendizagem! Correr sem relógio deve ser realmente uma grande aprendizagem. Mas não duvido que conseguias fazer melhor! De qualquer forma parabéns!

    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Vitor!

      Parece que o braço fica mais leve quando não se leva o relógio ahah

      Abraço.

      Eliminar